Mario José Mariano (Marinho): Fórum não é depósito de armas!

Mario José Mariano (Marinho): Fórum não é depósito de armas!

1
Compartilhar
Mario José Mariano (Marinho) – presidente da Associação Paulista dos Técnicos Judiciários (Apatej)

Armas apreendidas em investigações de processos criminais são guardadas em depósitos nos prédios dos fóruns de todo o Estado. Essa prática pode atrair a atenção de criminosos e coloca em risco os servidores do Judiciário e a população.

Publicidade

Como no sábado, 17, quando criminosos renderam três vigilantes e roubaram 391 armas de fogo, entre elas submetralhadoras e um fuzil, no Fórum de Diadema. No início do mês, 175 armas já haviam sido roubadas do Fórum do Guarujá.

Este foi um caso de grande repercussão pelo volume, mas tem crescido a divulgação do desparecimento de armas, roubos e furtos nesses depósitos. Essas armas voltam para o mercado negro e para a criminalidade.

Há anos a Apatej, junto a outras entidades do Judiciário, vem alertando para este problema, que é gravíssimo! O governo do estado e o Tribunal de Justiça de São Paulo não podem continuar se omitindo.

Em reunião na segunda-feira, 19, o TJSP definiu que “as armas vinculadas a processos judiciais, salvo excepcional interesse, não mais serão encaminhadas aos fóruns após a perícia, sendo remetidas imediatamente para destruição ou para melhor equipar as forças de segurança”.

Publicidade

Além disso, “em curto espaço de tempo, possa ser removido maior número de armas de fóruns para os Comandos de Policiamentos de Área da Polícia Militar, priorizando-se a transferência das armas de maior potencial lesivo. Estabeleceu-se, também, que serão realizados procedimentos para inutilizar as armas que não tenham interesse para processos ou para as Forças de Segurança”.

Esperamos que essa decisão seja cumprida e vamos continuar firmes na luta por mais segurança para os servidores do Judiciário e a população.

Lembrando que o uso dos Fóruns como depósito de armas é só mais um exemplo da falta de estrutura no Judiciário paulista. Basta de precariedade!

Compartilhar

Comentários