Região deve ter protestos contra aumento da tarifa

0

Em junho de 2013, série de protestos reverteu reajuste no valor das passagens / Foto: Eduardo Metroviche
Em junho de 2013, série de protestos reverteu reajuste no valor das passagens / Foto: Eduardo Metroviche

publicidade

No embalo das manifestações iniciadas pelo Movimento Passe Livre (MPL), em São Paulo, o coletivo Osasco Contra o Aumento (OCA) planeja uma manifestação contra o aumento da tarifa de ônibus, trens da CPTM e Metrô para a tarde do dia 23, sexta-feira, no Centro osasquense.

Passagem subiu para R$ 3,50 na maioria das cidades

Em Cotia, um grupo intitulado Fórum de Lutas agendou um protesto para a tarde da próxima terça-feira, 13. A concentração será em frente à Prefeitura.
Desde terça-feira, 6, a passagem dos ônibus municipais subiu de R$ 3,00 para R$ 3,50 (16,6%) nas cidades de Osasco, Barueri, Carapicuíba e Itapevi, além dos trens da CPTM e no Metrô, que são de responsabilidade do governo do estado. Também houve aumento nos ônibus em Jandira, de R$ 3,00 para R$ 3,40 (13,3%) e Cotia, de R$ 2,60 para R$ 3,20 (23%).
A expectativa do OCA é que os protestos contra o reajuste das tarifas iniciados pelo MPL em São Paulo ganhem força e cresçam de forma semelhante às manifestações de junho de 2013, que reverteram o aumento em diversas cidades.

publicidade

Além da passagem
“Assim como em junho [de 2013], acreditamos que as manifestações contra o aumento vão se expandir para fora da Capital e do estado”, avalia Alexandre Capelo, membro do OCA. Ele analisa que, novamente, os protestos irão além da questão da tarifa: “A maioria das pessoas vive um profundo estado de insatisfação contra qualquer governo”.
Nesta sexta-feira, 9, membros do OCA vão participar do protesto do Movimento Passe Livre contra o aumento da passagem em São Paulo. “Vamos demonstrar solidariedade de classe e fortalecer a militância”.
Além do ato na Capital nesta sexta, o MPL deve convocar outros protestos contra o reajuste das tarifas. “Convocaremos outros pela revogação do aumento, por um transporte público universal”, afirmou Marcelo Hotimsky, liderança no MPL, à Rede Brasil Atual.

Implantação de passe livre é contrapartida ao reajuste

publicidade

A implantação do passe livre para estudantes de escolas públicas é considerada uma contrapartida das administrações municipais ao reajuste na tarifa de ônibus.
Nas cidades do Cioeste, o benefício vai atender a alunos de escolas públicas ou bolsistas o Fies e ProUni, no ensino superior, que estudam a mais de 2 quilômetros de distância de casa e têm renda familiar inferior ou igual a dois salários mínimos. O passe livre será limitado a uma passagem de ida e outra de volta à escola, exceto em períodos de recesso escolar.
“As regras de gratuidade poderão ser flexibilizadas sempre no sentido de ampliar o número de beneficiários, sendo preservadas as políticas das cidades que já possuíam a gratuidade e isenção, como Cotia e Osasco”, afirma comunicado do Consócio Intermunicipal da Região Oeste (Cioeste).
O MPL faz criticas à maneira como foi implantado o passe livre: “A nossa luta é a mesma: tarifa zero para toda a população. O passe livre para os estudantes foi dado como uma concessão, e não estabelecido como direito”.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorTecnologias do futuro serão vestíveis, mostra CES 2015
Próximo artigoVisão na Rede