Início Política Unifesp não cerca terreno e população convive com entulho

Unifesp não cerca terreno e população convive com entulho

1
Terreno abandonado tem até carcaça de carro queimado. Foto: Eduardo Metroviche

Sem cercamento ou vigilância, local é alvo de despejo de lixo e traz riscos aos vizinhos / Foto: Eduardo Metroviche
Sem cercamento ou vigilância, local é alvo de despejo de lixo e traz riscos aos vizinhos / Foto: Eduardo Metroviche

publicidade

Fernando Augusto

Enquanto não acontece o início das obras do campus Osasco da Unifesp, o terreno localizado no bairro Quitaúna permanece abandonado e acumula lixo. No local é possível encontrar muito entulho, objetos como sofás e até a carcaça de um carro queimado.

publicidade

A Unifesp ficou de cercar o terreno com um gradil e fazer o calçamento em volta da área, para evitar o despejo de entulho e também atividades ilícitas no terreno, que tem 211 mil metros quadrados. O prazo informado para a Prefeitura era até fevereiro, mas nenhuma obra começou no local.

O abandono prejudica os moradores do bairro, já que o entulho atrai ratos e focos de dengue. Além disso, como o terreno fica em uma parte alta e não tem escoamento correto da água, ele ocasiona enchentes na parte baixa do bairro, dizem vizinhos. A situação é agravada porque a água vem do terreno com muito barro, o que torna ainda mais difícil a limpeza das residências após os alagamentos.

publicidade

O vereador Valdir Roque (PT) cobrou uma resposta da Unifesp na tribuna da Câmara na sessão do dia 27. Ele também enviou uma carta à direção da universidade. “Sou pressionado por grupos de moradores, inclusive, a levar a questão ao Ministério Público para cobrar as devidas providências. Estamos cansados de conviver com os problemas de um grande terreno em estado de abandono”, escreveu.
Roque também pediu informações sobre o andamento do processo de licitação para as obras do campus Osasco.

Em abril de 2008, o projeto de construção do campus foi lançado em evento que teve a presença do então presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No entanto, a obra ainda não saiu do papel e a Unifesp Osasco funciona provisoriamente no prédio da Fito, no Jardim das Flores, onde oferece cinco cursos: Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Ciências Atuariais, Administração e Relações Internacionais.

Em junho do ano passado, a reitora da Unifesp, Soraya Smaili, em audiência pública em Osasco, divulgou detalhes do projeto do campus e disse que a licitação deveria durar de seis a nove meses, prazo que, portanto, se esgota neste mês. A assessoria de impresa da Unifesp não havia respondido os questionamentos da reportagem do Visão Oeste até o fechamento desta edição. (Na sexta-feira, 7, a assessoria de imprensa da Unifesp respondeu à reportagem. Clique aqui para ler a nota de esclarecimento da universidade)

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorVisão na Rede
Próximo artigoComissão pede que morte seja atribuida à ditadura