A violência continua…

0

O período em que se insere o dia 1º de Maio marca um ciclo de importância fundamental para todas as categorias de trabalhadores. Neste ciclo, centrais sindicais, sindicatos e outras entidades representativas dos trabalhadores promovem atividades e eventos que, além da função de celebrarem os avanços, pontuam pautas e discussões para a busca de novas conquistas.

publicidade

Várias expressões tentaram resumir o espírito deste momento, e provavelmente um dos bordões mais utilizados foi aquele historicamente associado ao primeiro operário, metalúrgico, de origem pobre, a tornar-se presidente da República no Brasil: “companheiros, a luta continua”, atribuída ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Luta não é só por garantias, mas também para assegurar o direito à vida

Infelizmente, o 1º de Maio dos paulistas desta vez será marcado por uma outra frase apoiada em dados preocupantes: a violência continua. Continua com índices alarmantes, a despeito dos esforços dos governos nas esferas federal, estadual e municipal.

publicidade

No final do ano passado, o governador do estado substituiu o então secretário de segurança pública, Antonio Ferreira Pinto, pelo ex-procurador-geral de Justiça Fernando Grella Vieira. Ainda assim o resultado, traduzido nos números ora apresentados, continua muito aquém das expectativas da população.

Neste 1º de Maio, de fato, a luta precisará continuar. Uma luta não só por manter direitos e garantias dos trabalhadores nos seus locais de trabalho, mas uma busca constante para assegurar o direito à vida. Será preciso mobilizar também por ações efetivas dos governos em combate à onda de violência que assola São Paulo; uma violência que fatalmente vitima trabalhadores e trabalhadoras, pais e filhos, na porta de casa, na entrada, saída ou no exercício do trabalho.

publicidade

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorReforma no Judiciário em debate
Próximo artigoFrases