Após perder parte da perna, morador de Barueri encontra motivação no esporte para retomar a vida

Cleomar Lima do Nascimento, de 42 anos, viu a sua vida mudar completamente após sofrer um acidente e perder parte da perna esquerda

0
morador de barueri volei
Foto: Secom

O morador de Barueri Cleomar Lima do Nascimento, de 42 anos, viu a sua vida mudar completamente há 26 anos, quando sofreu um acidente e teve de amputar parte da perna esquerda. Sem aceitar a nova realidade, ele se viu preso no alcoolismo até que encontrou, no esporte, a motivação que precisava para seguir em frente.

publicidade

Cleomar era porteiro e gostava muito de skate na época em que sofreu o acidente. Ele passou por vários conflitos internos no início. “Foi muito difícil, não queria que me tratassem como um coitadinho”, diz.

Até que, em 2007, quando andava pelo centro de Barueri de muletas, foi convidado por Carlos Roberto da Silva, o professor Carlinhos, atual titular da Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SDPD), para conhecer a modalidade vôlei sentado.

publicidade
barueri volei sentado
Volei sentado / Foto: Secom

Começou a treinar em São Paulo, não se adaptou a princípio, mas voltou ao esporte em definitivo no mesmo ano. “Conheci o Giba (atacante consagrado do Corinthians e da seleção brasileira) e passei a ter uma nova visão sobre a modalidade”, afirma Cleomar. “A rotina dos atletas de vôlei sentado exige talento, disciplina, dedicação, preparo psicológico, habilidade para lidar com grupo e capacidade de superação de outros obstáculos sociais e familiares até maiores fora da quadra”, completa o atleta amador.

Os treinos, as competições e o convívio com o meio esportivo fizeram muito bem a Cleomar. Ele superou adversidades e preconceitos, conseguiu empregos que exigem melhor qualificação e encontrou Marisa Reis, sua companheira há 14 anos. “Ele tem todo o meu apoio. Acho até um pouco exagerada a rotina de treinos, mas adoro quando ele oferece um ponto para mim”, afirma a esposa.

publicidade

Mesmo em meio à pandemia e trabalhando (há seis anos como atendente de investimentos em um grande banco na avenida Paulista), Cleomar mantém sua rotina de treinos em casa. “Já pensei em parar de jogar muitas vezes e até recebi proposta remunerada de outro clube, mas preferi continuar aqui. Barueri possui uma ótima estrutura e sou muito agradecido pela prótese que recebi”, revela.

Foto: Reprodução

Além da fome de bola, o atleta reencontrou o seu amor pela vida. Sempre que pode frequenta lugares de lazer com a família, é muito interessado em filmes de guerra, séries de TV e dedica boa parte de seu tempo livre à leitura de livros sobre a História do Brasil.

Em sua trajetória de persistência e superação, Cleomar já conquistou diversos títulos. Confira:

Vice-Campeão Torneio Sérgio Del Grande em 2008 (São Paulo);

Medalha de Prata nos Jogos Abertos de Goiás (2008);

3º lugar no Campeonato Paulista em 2009 (Ibirapuera, São Paulo);

Campeão Brasileiro Série B em 2009 (Mogi das Cruzes, SP);

Vice-Campeão Brasileiro Série B em 2011 (Maceió, AL);

Vice-Campeão Brasileiro em 2012 (Cabo, PE);

Vice-Campeão Paulista em 2019 (Barueri,SP).

>>> Leia também: Laboratório vendia próteses dentárias roubadas de mortos em cemitérios como se fossem novas

Comentários