Ato contra prefeito vira disputa e tumultua a Câmara

0

IMG_1913O que começou como uma manifestação de um grupo de oposição ao prefeito Sergio Ribeiro (PT), em Carapicuíba, virou uma batalha de diferentes bandeiras em frente à Câmara Municipal da cidade na quarta-feira, 21. A partir das 16hs, integrantes de um movimento
que se auto-intitula “Salva Carapicuíba”, ligado ao ex–vereador Wellington dos Santos, conhecido com Helinho, ocuparam a avenida em frente ao Legislativo com cartazes tentando sensibilizar os vereadores para votarem um pedido de cassação do prefeito por supostas irregularidades apontadas pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE).

publicidade

Para o mesmo horário, a Associação dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, Apeoesp, convocou uma uma  assembleia dos professores da rede estadual, que são representados pela entidade, e da rede municipal, cuja representação é reivindicada por outra entidade, o sindicato do funcionalismo da cidade. Logo, o movimento ganhou a presença do Sindicato dos Servidores de Carapicuíba, estranhando a convocação da Apeoesp, e dos servidores de Osasco, o Sintrasp, em solidariedade
aos colegas do município vizinho.

Em poucas horas, além da forte presença policial, o ato em frente ao Legislativo ganhou também a adesão de militantes do PT municipal em apoio a Sergio Ribeiro. Os partidários do “fora Sergio” aguardavam a discussão do protocolo 1801/2013, que apresentou denúncia contra o prefeito seguida de pedido de cassação, em nome de Eduardo da Silva Santos. Um dos coordenadores do ato, o empresário e filho do ex-vereador Helinho, André Cauan da Silva Santos, garante que o movimento não é de um grupo ligado ao ex-vereador. “Nós só procuramos o Helinho para ele dar um respaldo jurídico pra gente, porque nós queríamos tomar algumas atitudes jurídicas com relação ao que está acontecendo”, disse.

publicidade

O protocolo foi rejeitado logo no início da sessão, que foi realizada provisoriamente no Teatro Jorge Amado (devido a reformas no prédio oficial do Legislativo). Os únicos votos favoráveis foram do vereador Zé Amiguinho (PDT) e Paulo Xavier (PSDB).

Sindicalistas ficaram em lados opostos

publicidade

IMG_1867

A disputa pela atenção dos professores colocou em lados opostos os sindicalistas presentes. O conselheiro da Apeoesp, Gilmar Lopes da Silva, desqualificou a representatividade do sindicato dos Servidores, questionando a ausência de eleições na entidade. “E como é que um presidente do sindicato pode ser assessor do prefeito”, disparou. Ao mesmo tempo, cobrou condições de trabalho e melhores salários na rede municipal de ensino. Já o presidente do Sindicato dos Servidores de Carapicuíba, Jessé Cassundé, usava o microfone justamente para criticar a administração e apresentar a pauta de reivindicações da entidade. “O prefeito, junto com a Apeoesp, soltaram (sic) um edital chamando os funcionários da Educação (…) É por isso que estou aqui. Os funcionários da [secretaria de] Obras não receberam as horas extras; os professores não receberam bônus; a guarda civil tem direito a um piso de dois salários mínimos e a prefeitura não está respeitando, assim como as pajens. É por esse motivo. E a cesta básica também está defasada”, explicou.

Confusão de bandeiras

IMG_1897

A contradição do movimento ficou evidente quando o presidente do Conselho Intersindical de Saúde e Seguridade Social de Osasco e Região, José Elias de Góis, usou a palavra para afirmar que “a cidade tem problemas sim, mas os trabalhadores não podem ficar do lado de uma turma [referindo-se ao grupo de ex-vereador Helinho] que acabou com a cidade e é responsável por deixá-la nessa condição difícil em que o atual prefeito a assumiu”. Ao mesmo tempo, o grupo ligado ao sindicato atrás dele gritava “fora prefeito”. Comandando a retirada dos servidores, Cassundé voltou ao microfone e tentou contemporizar: “a gente é democrático, abriu o microfone para os que são contra e os que estão do lado do prefeito. Parabéns a todos pela democracia”.

Quem ficou sem entender nada foram os cidadãos e servidores que estavam ali atendendo à convocação de um ou outro grupo. “Eu fiquei confusa. Tinha entidade do estado, junto com entidade da prefeitura. Tinha um pessoal que tem denúncias contra o prefeito e eu fiquei sem entender nada”, reclamou Maria Aparecida, que engrossava o ato dos opositores ao prefeito Sergio Ribeiro.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorFeira noturna agora tem adoção de animais
Próximo artigoVisão Atenta