Início Brasil Bruna Furlan se ausenta e Renata Abreu diz sim ao voto impresso

Bruna Furlan se ausenta e Renata Abreu diz sim ao voto impresso

0
bruna furlan renata abreu voto impresso
Fotos: divulgação

Bruna Furlan (PSDB) se ausentou e Renata Abreu (Podemos) votou sim. Essas foram as posições das duas deputadas federais com atuação em Osasco, Barueri e região na votação sobre o voto impresso, rejeitado no plenário da Câmara dos Deputados, na noite desta terça-feira (10). Foram 229 votos favoráveis, 218 contrários e 1 abstenção. Como não atingiu o mínimo de 308 votos favoráveis, a proposta será arquivada.

publicidade

A ausência de Bruna Furlan tornou ainda mais representativa a divergência entre os tucanos sobre o tema. A orientação do PSDB era o voto contrário, mas a maioria da bancada do partido votou sim. Foram 14 votos a favor, 12 contra e 5 ausências, entre elas a da deputada de Barueri, e uma abstenção, de Aécio Neves (MG). Ou seja, dos 32 membros da bancada tucana, 18 evitaram seguir a orientação do comando da legenda.

A bancada do Podemos, partido presidido por Renata Abreu, também teve a maioria dos votos favoráveis ao voto impresso, defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Além da parlamentar com atuação em Osasco, outros cinco deputados do partido votaram sim.

publicidade

A proposta rejeitada, de autoria da deputada Bia Kicis (PSL-DF), determinava a impressão de “cédulas físicas conferíveis pelo eleitor” independentemente do meio empregado para o registro dos votos em eleições, plebiscitos e referendos.

Após a votação, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), agradeceu aos deputados pelo comportamento democrático. “A democracia do Plenário desta Casa deu uma resposta a este assunto e, na Câmara, espero que este assunto esteja definitivamente enterrado”, afirmou.

publicidade

A votação desta terça-feira é a terceira derrota do voto impresso na Câmara, já que o tema foi rejeitado em duas votações na comissão especial na semana passada.

O 1º vice-presidente da Câmara, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), também afirmou que o debate do voto impresso precisa ser superado. “O brasileiro precisa de vacina, emprego e comida na mesa. A Câmara precisa virar esta página para tratar do que realmente importa para o País”, declarou.

Para o líder da oposição, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), a votação passa um recado ao governo federal. “Dizemos não às intimidações, não à desestabilização das eleições, não à tentativa de golpe de Bolsonaro. Queremos no ano que vem eleições limpas, seguras, tranquilas e pacíficas, como o sistema atual garante”, disse Molon.

Ainda não acabou, diz aliado de Bolsonaro

Líder do PSL e defensor da proposta, o deputado Vitor Hugo (PSL-GO), aliado do presidente Jair Bolsonaro, falou que a questão ainda não se encerrou. “Ainda que nós percamos no Plenário hoje, nós já vencemos a discussão na sociedade brasileira porque milhões e milhões de brasileiros foram às ruas expressar sua opinião e dizer que não confiam no sistema”, declarou.

Vitor Hugo disse que os parlamentares agora vão pressionar o Senado Federal para votar proposta com tema semelhante e pela criação de uma comissão parlamentar de inquérito (CPI) sobre a segurança do sistema do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Desfile militar

Deputados aproveitaram ainda a sessão para criticar o desfile de tanques e armamentos das Forças Armadas patrocinado pelo governo e interpretado por muitos como tentativa de intimidação do Parlamento.

O deputado Camilo Capiberibe (PSB-AP) afirmou que há uma agenda do governo contra a democracia. “Hoje o que nós vimos foi uma demonstração patética de fraqueza do presidente, usando e expondo as Forças Armadas à chacota pública nas redes sociais e na mídia internacional: a ‘tanqueata’ com seus tanques enfumaçados, aquela cortina de fumaça. Aquela cortina de fumaça não vai passar. Nós vamos aqui botar um ponto final”, disse.

Para o líder do PDT, deputado Wolney Queiroz (PDT-PE), se trata de uma manobra diversionista do governo Bolsonaro. “Colocar tanque na rua, como Bolsonaro fez, é muito fácil, mas é difícil acabar com o desemprego, vacinar a população, diminuir o preço do gás de cozinha, pagar um auxílio emergencial. E pasmem: a pauta do Brasil é o voto impresso”, condenou.

Já o deputado Carlos Jordy (PSL-RJ) minimizou os impactos do desfile militar da Operação Formosa. “Essa operação ocorre desde 1988. Para que tanto medo dos militares? Os militares não me constrangem”, disse. (Com Agência Câmara de Notícias)

Comentários