Com pressão, Câmara aprova mudança para professores

0
Professoras-adjuntas foram à Câmara Municipal na terça-feira, 18, pressionar pela aprovação do projeto que muda o cargo de celetista para estatutário / Foto: Francysco Souza

Professoras-adjuntas foram à Câmara Municipal na terça-feira, 18, pressionar pela aprovação do projeto que muda o cargo de celetista para estatutário / Foto: Francysco Souza
Professoras-adjuntas foram à Câmara Municipal na terça-feira, 18, pressionar pela aprovação do projeto que muda o cargo de celetista para estatutário / Foto: Francysco Souza

publicidade

Leandro Conceição

Os vereadores de Osasco aprovaram, na terça-feira, 18, projeto de lei que muda o cargo de professor-adjunto de educação básica de celetista (regido pelas regras da Consolidação das Leis do Trabalho – CLT) para estatutário (regime próprio da administração municipal).
A medida altera a Lei Complementar 111/2003, que determinou, na época, a abertura de concurso público para a contratação mil adjuntos em regime CLT. Atualmente cerca de 300 professores contratados na ocasião continuam na rede, segundo a Prefeitura.

publicidade

Como estatutários, os professores passam a ter direitos que não têm como celetistas, como licença prêmio, faltas abonadas, licença para tratamento familiar, licença sem vencimento, evolução funcional de títulos e garantia de aposentadoria pelo Instituto de Previdência do Município de Osasco (IPMO), entre outros.
A aprovação ocorreu em meio à pressão de um grupo de cerca de 30 professoras que foram à Câmara Municipal pedir celeridade na votação e a aprovação da proposta, encaminhada em setembro à Câmara Municipal pelo prefeito Jorge Lapas (PT).

“Os adjuntos ingressaram por concurso público, mas não têm uma série de direitos dos estatutários. Essa promessa [de mudança na lei] existe há muito tempo. Foi promessa de campanha do prefeito em 2012”, afirmou a presidente da Associação dos Professores de Osasco (Apos), Anay Christine Lima do Prado. Representantes do Sindicato dos Servidores de Osasco e Região (Sintrasp) também cobraram a aprovação da proposta.

publicidade

Emendas não avançaram

O projeto aprovado na Câmara estabelece que, a partir da entrada da nova lei em vigor, os servidores deverão cumprir um período mínimo de cinco anos para poderem se aposentar. Outro artigo determina a mudança vale apenas para os profissionais que estão no exercício da função.
A Associação dos Professores havia apresentado emendas a estes dois artigos, mas elas não avançaram. A Apos pedia que a mudança valesse para os que estão se aposentando e que quem estivesse afastado por licença médica tivesse o direito de se tornar estatutário.
O líder do prefeito na Câmara, Aluisio Pinheiro (PT), afirmou que a recusa às emendas ocorreu para acelerar a aprovação do projeto. “Se forem necessárias alterações nas leis que se referem aos adjuntos ou ao magistério, faremos em outro momento”.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorcontra o privilégio
Próximo artigoFrases