Gê suspende contratos e exonera 270

0

Prefeito também determinou a redução no número de secretarias, de 21 para 15 / Foto: Eduardo Metroviche
Prefeito também determinou a redução no número de secretarias, de 21 para 15 / Foto: Eduardo Metroviche

publicidade

Leandro Conceição

Em entrevista coletiva na terça-feira, 22, o prefeito de Jandira, Geraldo Teotônio da Silva, o Gê (PV) disse que a antecessora, Anabel Sabatine (PSDB), deixou a cidade com R$ 35 milhões em dívidas, além de uma situação administrativa “assustadora”.
O novo prefeito determinou a suspensão de contratos com empresas privadas, a exoneração de 270 cargos de confiança, o contingenciamento de 40% do orçamento de quase todas as secretarias, com exceções para Saúde e Educação, por seis meses, e a redução do número de secretarias, de 21 para 15. “Precisamos readequar a máquina”, disse.

Novo prefeito prevê até 2 anos para “pôr a casa em ordem”

publicidade

Gê prevê que serão necessários até dois anos para “pôr a casa em ordem”. “Pegamos uma casa totalmente desorganizada, desarrumada e precisamos de tempo para organizar”, afirmou.
Sobre os contratos suspensos, o prefeito diz que serão auditados e renegociados. “O que for essencial, vamos manter. O que não é, vamos romper”. Além disso, “vamos encaminhar todas as auditorias ao Tribunal de Contas e, se for o caso, ao Ministério Público”.
Entre os contratos suspensos está o de locação de veículos. “Tivemos a atitude de olhar nossa própria frota. Nosso caminho é ter veículos próprios [para a prestação de serviços municipais]. Como ainda não temos dinheiro, estamos consertando o que temos”.

Hospital
Outro contrato na mira é o da terceirização do problemático hospital municipal. “Na condição de vereador, fui contrário [à terceirização]”. Gê estuda a possibilidade de gerir o hospital de forma mista. “Pode ter a gestão administrativa municipal e encarregar uma empresa de contratar os médicos”.
De acordo com ele, o atual contrato com a instituição que administra o hospital custa caro ao município. O repasse hoje é de cerca de R$ 1,2 milhão por mês, previsto para subir para R$ 1,5 milhão. “Estamos em processo de rompimento desse contrato”.

publicidade

Relação “tranquila” com Câmara

Gê também falou sobre a expectativa de relacionamento com a Câmara Municipal. O partido dele, PV, elegeu apenas dois dos 13 vereadores do município e a antecessora, Anabel Sabatine, tinha uma relação turbulenta com a maioria dos parlamentares.
“A gente tem uma preocupação óbvia, mas é outro cenário. Tenho me aproximado dos vereadores, todos têm consciência de reorganizar a cidade. Existe uma relação muito tranquila”, afirmou. O presidente da Câmara, Altamir Cypriano, o Mi (DEM), já afirmou que a Casa exercerá suas funções sem “afronta” ao prefeito.

Cidade tem déficit de 5 mil vagas em creches

No mesmo evento, a vice-prefeira e secretária de Educação de Jandira, Lurdete Kummer, a Dete da Apae, afirmou que a cidade tem hoje um déficit de cerca de 5 mil vagas em creches.
Para amenizar o problema, a administração busca viabilizar a abertura de 500 vagas nos próximos meses. “Não temos dinheiro para a construção de prédios, mas estamos buscando parcerias com os governos estadual e federal e analisando a possibilidade de locação de imóveis”, afirmou.

Comentários