Presidente do Banco do Brasil defende privatização em reunião com parlamentares

0
Fachada de agência do Banco do Brasil no Centro de Osasco / Foto: reprodução/Google

Em reunião com parlamentares nesta segunda-feira (8), o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, defendeu a privatização do banco devido crescente competição no setor e as, segundo ele, “amarras que nós temos no setor público”.

“A minha dúvida é se, com as amarras que nós temos do setor público, vamos ter velocidade de transformação que nos permita uma adaptação a esse novo mundo. Eu sinceramente desconfio que não”, disse Novaes.

“Hoje, o Banco do Brasil, apesar de ser extremamente eficiente, ter um pessoal extremamente qualificado e dedicado, concorre com os outros bancos com bolas de chumbo amarradas aos pés. As decisões são todas demoradas, têm que passar por TCU, Sest, Secom, CGU…”, continuou.

Publicidade

Deputados da oposição criticaram a defesa ideia de privatização do Banco do Brasil. “Ele deveria continuar sendo do povo brasileiro. É fundamental ele continuar apoiando a agricultura. E, evidente, ele não pode ter uma lógica só de ter lucros”, salientou o deputado Reginaldo Lopes (PT-MG).

presidente banco do brasil rubem novaes
Ao defender privatização, Rubem Novaes afirmou que Banco do Brasil “concorre com os outros bancos com bolas de chumbo amarradas aos pés” / Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados (Arquivo)

Empréstimos

O presidente do Banco do Brasil também admitiu que há uma dificuldade dos bancos em se interessarem pelo crédito para o pequeno empresário neste momento. “E não é uma demanda saudável. É a demanda dos desesperados. Não é uma demanda para produzir, não é uma demanda para vender, não é uma demanda para investir”.

Ele disse que o Banco do Brasil já prorrogou quase R$ 25 bilhões de empréstimos de pequenas e médias empresas. Os novos créditos, porém, atingiram pouco mais de R$ 8 bilhões.

A diretoria do banco confirmou que clientes que não pagaram as suas dívidas há menos de 5 anos não terão acesso a crédito novo no BB, mesmo na situação atual.

“É muito difícil atingir o pequenininho. O custo de servir, o custo de atingir o pequeno geralmente não compensa para o sistema bancário. O banco passa a ter outras atividades que o remuneram melhor. Se tem uma atividade com menor atratividade, o banco vai buscar aquilo que lhe interessa mais fazer, é natural”, afirmou Rubem Novaes.

O presidente do Banco do Brasil disse que o Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe) deve decolar agora porque o governo vai garantir 85% do prejuízo dos créditos não pagos.

Comentários