Votação no Congresso é prenúncio de tempos difíceis

0

A dificuldade do governo federal em aprovar no Congresso Nacional o projeto de lei que alterou a Lei de Diretrizes Orçamentárias, numa sessão que durou 18 horas, é apenas um sintoma de tempos difíceis que poderão vir. A mudança, que não foi ainda aprovada na integralidade, vai permitir ao governo deduzir gastos com obras do PAC e desonerações tributárias da meta de superávit primario, fixada em R$ 116 bilhões. O superávit primário é uma espécie de economia para pagar juros da dívida; e por lei, é obrigatória. O limite de deduções atuais era de R$ 67 bilhões. Com a mudança, pode chegar a R$ 140 bilhões.

publicidade

Obstrução da oposição e protestos tornaram o processo desgastante para a base aliada

Todo o barulho no Congresso, que os aliados do governo acusam ter sido feito por militantes remunerados da oposição, diz respeito a uma alteração que nem mesmo é nova. Essa é a sexta vez que a manobra é realizada desde 2001, quando Fernando Henrique Cardoso usou o expediente; foi seguido por Lula, em 2008 e 2009, e pela própria presidente Dilma em 2011 e 2013.
Mas a obstrução da oposição e os protestos tornaram o processo desgastante para a base aliada e para o próprio o Palácio do Planalto. E o novo Congresso, avaliado como um dos mais conservadores desde 1964, nem mesmo assumiu. Quando os congressistas eleitos tiverem tomado posse, em 2 de fevereiro do próximo ano, o novo perfil parlamentar deverá adicionar ainda mais dificuldades ao processo de discussão e aprovação, não apenas de temas de interesse do governo mas, principalmente, de bandeiras consideradas progressistas e pautas trabalhistas.

Some-se a esta dificuldade o curso de uma investigação que, ao que tudo indica, pode implicar os nomes de cerca de 70 deputados; quase 1 em cada 6 parlamentares. São sinais inequívocos de tempos difíceis por vir, quando a mobilização popular será ainda mais necessária.

publicidade

Comentários

publicidade

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriortroca de elogios
Próximo artigoPT quer indicar nome para presidência da Câmara