Assassino de ator de “Chiquititas” é “um típico serial killer”, avalia psicólogo

Assassino de ator de “Chiquititas” é “um típico serial killer”, avalia psicólogo

1
Compartilhar
rafael miguel

Na tarde deste domingo (9) o ator Rafael Miguel, de 22 anos, foi assassinado a tiros juntamente com seus pais, João Alcisio Miguel, de 52, e Mirian Selma Miguel, de 50, pelo sogro dele, Paulo Cupertino Matias, de 48, na estrada do Alvarenga, no bairro Pedreira, zona sul de São Paulo.

O psicólogo e escritor Alexandre Bez avalia que o assassino tem características típicas de um serial killer. “Nesse caso de triplo assassinato, o assassino já é considerado como um típico serial killer”, analisa.

“Embora não tenha havido o habitual espaço cronológico entre uma morte e outra, essa tripla ação intencional, é motivada pela estrutura mental ‘Tríade Maligna’ (Agressividade, Violência, Assassinato), condição mental essa, pertencente à personalidade psicopática”, completa Alexandre Bez.

paulo_cupertino rafael miguel
Paulo Cupertino está foragido / Foto: reprodução

Publicidade

Para o especialista, neste caso específico, além da psicopatia e da covardia (típico de todo psicopata), existe neste caso um amor obsessivo inconsciente pela filha. O pai não sabe como lidar com a frustração de “perdê-la” para outro homem encontra a saída em liquidar o futuro genro, e a família toda dele.

O comerciante Paulo Cupertino Matias, que executou o ator e os pais dele, continua foragido após o crime.

Publicidade

Rafael Miguel interpretou o personagem Paçoca, na novela “Chiquititas”, e trabalhou no comercial em que uma criança pede brócolis à mãe. Ele também atuou em novelas como “Pé na Jaca”, “Cama de Gato” e o especial de fim de ano “O Natal do menino imperador”.

Rafael Miguel
O ator Rafael Miguel, morto pelo sogro aos 22 anos / Foto: reprodução

“Meu pai tem um ciúme doentio”, diz namorada de ator de “Chiquititas” assassinado pelo sogro

Isabela Tibcherani, namorada do ator Rafael Miguel, morto a tiros pelo pai dela neste domingo (9), falou sobre o crime em entrevista ao “Balanço Geral”, da Record TV, nesta segunda (ASSISTA AO VÍDEO ABAIXO). “Meu pai tem um ciúme possessivo, doentio. Ele é misógino, agressor, odeia mulheres e acha que mulher só serve para lavar, passar e cozinhar”, afirmou.

“Ainda não consigo acreditar, mas estou me esforçando. Juro que o máximo que pensei que fosse possível era meu pai sair na mão. Mas quando eles [Rafael e os pais] chegaram, ele me mandou entrar e começou a atirar”, afirmou Isabela Tibcherani.

A jovem afirmou ainda que tem sido amparada por amigos e pessoas próximas e que ainda não conta com apoio da mãe.

Publicidade

“Minha mãe não está do meu lado, por incrível que pareça. Ela não vai ajudar as investigações, mas nem vai precisar disso porque já conseguiram imagens dele. Se fosse pra contar com ela, eu estaria sozinha. Não quero nem vê-la”, disse.

Isabela também nega que esteja grávida e falou sobre perspectivas para o futuro: “Estou fazendo todo possível pra preservar nossa história, tem gente falando muita bobagem. Estou me esforçando pra me manter, mas não posso parar. Vou fazer o que meu coração manda. Vou honrar a nossa [dela e de Rafael] história, seguir nossos sonhos e ser uma mulher independente”.

Compartilhar

Comentários