Jandira tem crise política e vários pré-candidatos

Jandira tem crise política e vários pré-candidatos

0
Compartilhar
P

Com mais uma crise política, Jandira vê o número de pré-candidatos à prefeitura aumentar. O prefeito Geraldo Teotônio, o Gê (PV), que deve tentar a reeleição, enfrenta uma Comissão de Inquérito na Câmara, que investiga denúncias no contrato com a empresa que administra o hospital municipal. Gê teve sua base de apoio esfarelada e, no último dia 24, chegou a bater boca com o vereador Arverino Xavier (PTB) no plenário do Legislativo.

Paulo Barufi foi candidato a deputado federal em 2014 e obteve 20% dos votos válidos na cidade
Paulo Barufi foi candidato a deputado federal em 2014 e obteve 20% dos votos válidos na cidade

Publicidade

Só entre os vereadores são quatro nomes que podem se candidatar para o cargo de Gê, o que também explica as dificuldades do prefeito na Casa. Roberto Rodrigues (PSDB), Altamir Cypriano, o Mi (DEM), Julio Eduardo (PDT) e Reginaldo dos Santos, o Zezinho (PT), almejam candidatura.

Fora da Câmara, os principais pré-candidatos são o professor Paulo Barufi (PTB) e Dr. Sato (PMDB), que foi candidato a prefeito em 2012. Barufi vem com a força de quem teve 11.604 votos para deputado federal em 2014, sendo 10.177 em Jandira, o que representa 20% dos votos válidos na cidade, o suficiente para uma forte campanha à prefeitura.

Barufi diz que acredita numa polarização entre sua candidatura e a de Sato. “O prefeito [Gê] tem uma rejeição grande. Andando pela cidade é difícil achar um eleitor que se disponha a votar nele novamente”, diz. O pré-candidato tem o apoio dos vereadores Arverino, Odair do Táxi (PR) e Wilson Coelho (PSL), mas nega ter um nome para compor a chapa. “Ainda não definimos o vice, tem alguns nomes postulando”, afirmou.

Saúde
Um dos principais problemas e tema de investigação pela Câmara, o funcionamento do hospital de Jandira também será fruto das discussões na campanha eleitoral. Paulo Barufi diz que o contrato com a administradora do hospital precisa ser revisto. “No contrato diz que deveria ter três pediatras, três clínicos e um ortopedista por plantão, e raramente tem. Por que paga-se tão caro? Não é possível não termos um hospital com o básico”, questiona o pré-candidato.

Compartilhar

Comentários