Início Opinião Marcos Martins: O 1° de Maio e a centralidade da luta dos...

Marcos Martins: O 1° de Maio e a centralidade da luta dos trabalhadores

0

Marcos Martins é deputado estadual (PT)
Marcos Martins é deputado estadual (PT)

publicidade

A proximidade do Dia Internacional dos Trabalhadores celebrado mundialmente em 1° de Maio, levou-me a realizar uma reflexão sobre o passado, o presente e o futuro do nosso país desde a perspectiva dos trabalhadores.

Em diversos momentos da nossa história, a tensão entre os trabalhadores e seus patrões sempre esteve presente, seja de forma aberta/explícita ou fechada/implícita. No mundo todo, temos exemplos similares. No Brasil, a situação atual da luta dos trabalhadores é o reflexo das contradições de derrotas e vitórias desse conflito histórico.

publicidade

O fortalecimento do movimento sindical e da organização política dos trabalhadores, a partir da década de 80, foi fundamental para o estabelecimento da Constituição Cidadã, de 1988, e a eleição de Lula presidente, em 2002.

A partir de 2002, obtivemos outros avanços importantes. Seja em termos de princípios e direitos; seja sobre saúde e seguridade social; na valorização do trabalho ou no fortalecimento do diálogo social como método de governabilidade. 

publicidade

A profissionalização de jovens através de programas diversos evitou a precarização da juventude, a valorização das mulheres e negros e promoveu a igualdade de oportunidades, como no caso da nova lei dos empregados domésticos, que hoje possuem os mesmos direitos que qualquer outra categoria de trabalhadores.

Entre outras inúmeras questões, destaco a valorização do salário-mínimo, que quase dobrou de 2003 a 2015, reconhecido pela ONU como “o principal fator de redução da pobreza no país”. 

Hoje, em 2016, essas conquistas pontuais estão ameaçadas por fantasmas do passado. A forte pressão liberal-conservadora e elitista coordenada pelo PMDB, de Michel Temer, Eduardo Cunha e Skaf apontam para o congelamento do salário-mínimo, a flexibilização da CLT, a ampliação da terceirização e reformas previdenciárias que afetarão duramente as novas gerações. 

Por isso, nesse 1º de Maio devemos deixar claro que não podemos admitir tamanho retrocesso! É preciso combater essas movimentações que ameaçam as conquistas das gerações passadas. É preciso combater o ataque sobre as políticas e programas sociais; é preciso frear as privatizações de ativos e empresas públicas, inclusive em setores estratégicos como o petróleo!

1º de Maio de 2016 é um dia decisivo para enterrar de vez essas ameaças que pairam como “uma tempestade” sobre os nossos direitos conquistados.

Comentários