Projeto pelo fim dos frentistas deixaria mais de 500 mil desempregados, diz...

Projeto pelo fim dos frentistas deixaria mais de 500 mil desempregados, diz Federação

0
Compartilhar
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

A Federação dos Frentistas de São Paulo (Fepospetro) manifestou repúdio ao projeto de lei 2302/2019, em tramitação na Câmara dos Deputados, que defende a implantação de bombas de autosserviço (operadas pelo próprio consumidor) nos postos de combustíveis, o que poderia acabar com a função dos frentistas.

A Fepospetro defende que “a proposta, ao acenar com a demissão em massa no setor que emprega atualmente mais de 500 mil trabalhadores, sendo 100 mil em São Paulo, desconsidera que o Brasil vive hoje o grave desafio de dar resposta a mais de 14 milhões de desempregados”.

“O funcionamento de bombas de autosserviço, além de inequívoco rebaixamento das classes trabalhadoras, atenta contra a saúde e a vida dos consumidores”, analisa Luiz Arraes, presidente da Fepospetro e do Sindicato dos Frentistas de Osasco.

Publicidade

O autor do projeto que pode acabar com a função de frentista, Vinicius Poit (Novo/SP), argumenta que o modelo existe nos Estados Unidos desde a década de 1950 e permite a venda por um preço mais barato, já que reduz o custo trabalhista do empresário. “Por mais que se busque proteger empregos, não é por meio da proibição de um modelo de negócio que isso ocorrerá”.

…..

Leia também:

Publicidade

Parque aquático em Cotia é inaugurado neste domingo (9)

“Só queríamos ser livres para amar”, diz namorada de ator de “Chiquititas” morto pelo pai dela

Projeto de lei pode acabar com frentistas nos postos de combustíveis

Compartilhar

Comentários