Vereador de Osasco defende jovem negro acusado de roubar bicicleta no RJ e critica “racismo estrutural”

0
jovem negro acusado de roubar bicicleta (1)
Matheus Ribeiro passeava com a bicicleta quando foi abordado pelo casal / Foto: Reprodução

O vereador Emerson Osasco (REDE), ativista do movimento negro, usou a tribuna na sessão de terça-feira (22) para defender o carioca Matheus Ribeiro, de 22 anos, que foi acusado recentemente de ter furtado uma bicicleta elétrica no Rio de Janeiro. O caso ganhou repercussão nacional.

publicidade

O jovem negro e de periferia, que é instrutor de surfe, foi acusado por um casal branco de ter furtado a bicicleta enquanto passeava em frente ao Shopping Leblon. Ele gravou parte da abordagem e acusa o casal de racismo. De acordo com a Polícia Civil, o crime foi cometido por outro jovem, também de 22 anos, mas que era branco, de classe alta e que soma quase 30 passagens pela polícia. Destas, 14 são por furto de bicicletas.

Matheus voltou aos holofotes e passou a ser investigado após as investigações revelarem que a bicicleta elétrica era produto de roubo. À polícia, o jovem explicou que sua namorada comprou o item por R$ 3,6 mil em um site de produtos usados. “Mesmo apresentando o comprovante, o extrato do cartão de crédito que a sua namorada comprou e pagou, ele continuou sendo vítima do racismo estrutural que persegue o nosso povo desde quando o Brasil é Brasil. Nos colocam sempre abaixo do nível”, declarou Emerson Osasco.

publicidade

“A regra que o racismo estrutural impõe na nossa sociedade: se você é humilde, de origem humilde e se você é preto, qualquer coisa nova e boa que você usar não é sua. Ou você roubou ou deram para você”, continuou o vereador.

emerson osasco vereador (1)
Vereador Emerson Osasco / Foto: Ricardo Migliorini/CMO

PESAR// Morte de Kathlen gera moção na Câmara de Osasco; bala perdida “só acerta os CEPs das periferias”, diz vereador

publicidade

“Inversão de valores”

O parlamentar destacou ainda que houve uma “inversão de valores” na forma como o caso foi conduzido. “Em vez de investigar o Matheus, porque não investigaram o site e a pessoa que colocou a bicicleta à venda? Porque querem, de qualquer forma, criminalizar e marginalizar uma classe, um tipo e raça na sociedade. É inadmissível porque a gente sabe que os crimes acontecem independente de cor, de credo ou de profissão”, criticou.

“Tentar, de qualquer forma, jogar todo ato criminoso em uma raça só coloca o nosso país na maior evidência de que temos muito o que evoluir como sociedade, onde não suportam alguém compartilhando do mesmo lugar, dos mesmos bens de consumo e das mesmas coisas que um cidadão, que trabalha dignamente, possa ter”, continuou o parlamentar, que apresentou uma Moção de Solidariedade ao jovem carioca.

INDIGNAÇÃO E DEBATE// Após morte de motociclista, vereadores pedem mais fiscalização contra cerol em Osasco

Comentários