Salário mínimo deve ser arredondado para R$ 790

0
Para 2017, a expectativa é de recuperação, com crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 0,8% / Foto: reprodução

Alta do piso nacional deve chegar a 9,1% sobre os atuais R$ 724
Alta do piso nacional deve chegar a 9,1% sobre os atuais R$ 724

publicidade

O relator-geral do Orçamento da União para 2015, senador Romero Jucá (PMDB-RR), apresentou esta semana um substitutivo à peça orçamentária apresentada pelo governo na qual o salário mínimo a partir de 1º de janeiro de 2015 seria arredondado para R$ 790.

Reajuste segue acordo entre governo e sindicatos

O governo havia apresentado a proposta de elevar o piso salarial para R$ 788,06. O impacto da alteração nos cofres públicos deve ser de R$ 1,2 bilhão.
Se for confirmado, o mínimo de R$ 7,90 representa uma alta de 9,1% com relação aos atuais R$ 724. Seguindo acordo firmado entre o governo e as centrais sindicais, o aumento do salário mínimo é calculado com base no percentual de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do ano retrasado mais a reposição da inflação do ano anterior pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

publicidade

Além disso, o texto prevê para o ano que vem crescimento real do Produto Interno Bruto (PIB) de 3%, conjugado com redução da inflação medida pelo IPCA para 5%. A taxa de juros média do ano que vem, de acordo com o texto, é 10,9% ao ano.
A expectativa é que o projeto do Orçamento Geral da União seja aprovado no Congresso no dia 22 de dezembro, último dia de trabalhos legislativos deste ano.

Em SP, piso deve subir para R$ 905

publicidade

No estado de São Paulo, o salário mínimo deve subir de R$ 810 para R$ 905 a partir de janeiro. De acordo com o governador Geraldo Alckmin (PSDB), a expectativa é que oito milhões de pessoas sejam beneficiadas pelo reajuste de 11,7%. Apresentada no início de dezembro, a proposta aguarda aprovação na Assembleia Legislativa.

Comentários

DEIXE UM COMENTÁRIO

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Artigo anteriorReceitas e Temperos
Próximo artigoOs crimes da ditadura militar contra os trabalhadores